O Cruzeiro, a Copa da Russia e suas lições

Tenho, ao longo do tempo,feito varios comentários  sobre a equipe do  Cruzeiro.Os conteúdos  ora são elogiosos  ora  contem críticas ácidas ao desempenho da equipe e também à performance de alguns atletas.Hoje, gostaria de  me ater apenas a aspectos  do comportamento  da equipe como um todo, tomando por referência aquilo que vi e aprendi ao longo da Copa da Russia.É interessante  observar que até hoje,decorridas duas semanas do final da Copa,não vi nenhum técnico do futebol brasileiro se manifestar  a respeito do futebol lá apresentado.Mas garanto ,com certeza quase absoluta , que muita coisa boa ocorreu por lá.Senão vejamos:1- foi uma Copa  onde a juventude  tomou conta dos gramados;2-a velocidade foi determinante  na conquista do resultado;3-a aplicação tático-estratégica  foi,na maioria das vezes, rigidamente observada;4-a qualidade individual associada ao jogo coletivo  foi muitissimo equilibrada;5- a presença do VAR inibiu a malandragem  tornando o jogo mais justo;6-Mas tudo isso só foi possivel graças à qualidade do passe.Sem ele todos os esforços seriam inúteis . Após o exposto acima me volto agora para uma análise mais objetiva  do meu diagnóstico sobre o Cruzeiro.Acredito fortemente que  cerca de 60% dos problemas  do Cruzeiro estão localizados  em um único quesito.Resolvido esse desacerto ,os demais serão   consequentemente facilitados e/ou minimizados.Estou me referindo à dinamica de jogo  atualmente em prática .O Cruzeiro é extremamente lento na transição de defesa/ ataque e também na transição inversa de ataque/defesa.Qual a consequencia dessa dinamica  morosa?Enquanto  o Dedé passa a bola para o Leo,este passa para o Egidio que para,olha e devolve para o Leo    numa troca improdutiva  de passes na sua intermediária, o adversário está se posicionando , organizando seu bloco defensivo ,preenchendo todos os espaços, não permitindo brechas aos armadores e atacantes cruzeirenses.A batalha fica tremendamente inglória para os atacantes.Basta assistir aos jogos e facilmente será observado que  não há espaços  a explorar.Agora vejamos o inverso:olhem os espaços, às vezes gigantescos dados pelo setor defensivo cruzeirense.No primeiro gol do Corinthias no meio da semana, o jogador corinthiano  estava pelo setor esquerdo da defesa sem que  houvesse um jogador siquer  do  Cruzeiro  num raio de 15 metros! É a tal morosidade inversa que mencionei acima.O problema do Cruzeiro começa  no Fabio que não sabe sair jogando   e prefere rifar a bola ,passa  pelo imobilismo da linha de defesa que não se desloca para facilitar a saída(isso se resolve com treinamento) , continua no meio de campo  que se vê obrigado a jogar de lado ou mesmo retroceder, pois não consegue municiar os atacantes já  que os espaços estão todos tomados pelo adversário conforme explicado acima e termina com a perda da bola.Relembrando a Copa, a jogada da Bélgica  no ultimo segundo do jogo  contra o Japão vai se tornar um clássico do contra ataque.Numa jogada de velocidade e precisão de passes impressionantes, a bola sai das mãos  do goleiro e chega dentro da meta adversária tocada por apenas 4 jogadores.E não foi por acaso.Contra o Brasil a mesma jogada foi feita com absoluto  sucesso.Tudo isso é questão de treinamento e de adoção de   atitudes  que visem a aprimorar a dinamica do jogo com a finalidade de atacar antes que o adversário se reorganize.Feito isso os espaços aparecerão e os atacantes terão maiores possibilidades de sucesso.Caso o Cruzeiro insista nessa morosidade  as dificuldades  continuarão a existir.

Reflexões sobre a Copa da Russia

Agora,passados  já 4 dias da derrota e tendo a poeira baixado e acalmados os animos,fica mais facil analisar  o desempenho do Brasil.A caminhada  da seleção foi decepcionante.Se analisarmos ,com frieza  a performance contra Suiça,Costa Rica ,  Servia,Mexico e Belgica ,chegaremos à triste constatação que praticamos um futebol  de pouquissima qualidade.Empatamos ,ganhamos e perdemos sem convencer.A verdade é que nossas eliminatorias sulamericanas  não são parametros confiáveis  de qualidade.Mal comparando nossas eliminatorias   estão para a Copa do Mundo assim como os estaduais estão para o Campeonato Brasileiro.Ficamos com a ilusão de que estamos prontos  e,na verdade, quando nos deparamos com as seleções  do outro lado do Atlantico, principalmente as européias   a dura realidade  vem a tona.E,me arrisco a ir mais longe;embora nossos jogadores  estejam todos   envolvidos nos campeonatos europeus dos diversos paises,quando colocados juntos  seus desempenhos  não refletem suas capacidades individuais.E por que isso ocorre? Não existe mais aquela superioridade técnica do jogador brasileiro  tão decantada no passado. Hazard, de Bruyne ,Modric ,Lukaku  são grandes talentosOuso dizer que  o diferencial está  na deficiencia coletiva aliada à  péssima qualificação de nossos treinadores..E essa deficiencia coletiva se explica ,de forma inquestionável , pela maior qualidade técnica  dos treinadores europeus.O Martinez,treinador da Belgica, deu um tremendo nó tático no Tite.  Foi tão contundente na sua estratégia que o Brasil foi totalmente  incapaz de entender o que se passava em campo.O jogo poderia ter sido definido ainda no primeiro tempo tal o dominio avassalador  dos belgas.Nos fez temer por uma novo desastre como em 2014.Nossos treinadores  recebem uma equipe no inicio do ano e a entregam no final com os mesmos defeitos:os jogadores são deficientes nos fundamentos essenciais,a qualidade no passe é horrorosa,os cruzamentos são um espanto e as finalizações chegam  a ser inacreditáveis.Não existe um planejamento nas bases para ensinar o jovem a dominar uma bola,insistir no acerto do passe e concluir com sucesso  um ataque à meta adversária.Oa treinadores e jovens atletas acreditam que  eles tem essas qualidades  já   de nascença e que fazê-los  praticar chega a ser uma humilhação.O Brasil não tem aqui,no Brasileirão, um lateral do nivel de um Kimmich,um meia como Modric  ou de Bruyine ou mesmo um atacante como Lukaku ou Kane ou Hazard.Estamos muito distantes  dessa turma.Enquanto não nos conscientizarmos  da necessidade de moldar nossos jovens, ficaremos cada vez mais   distanciados dos demais centros  futebolisticos do mundo.Alem disso, nossos treinadores precisam se qualificar e estudar mais e, mais que isso, é preciso dar-lhes autoridade   e respaldo para exigir de seus atletas que se aprimorem em suas deficiencias. e reforcem suas virtudes.

ZÉ CARLOS BERNARDO

Acabo  de ler a noticia do falecimento do Zé Carlos volante do Cruzeiro e um de seus maiores ídolos.Volto ,na memória e no tempo e me vejo no dia 30 de setembro de 1967, um domingo, em um Mineirão lotado para  mais um clássico entre Cruzeiro e Atlético.O Cruzeiro começava a se firmar no cenario nacional  com uma equipe fantástica  ,que no ano anterior  havia conquistado a  Taça Brasil em cima de ,nada mais nada menos que o Santos de Pelé,com duas vitórias inquestionáveis:6×2 no Mineirão(com direito a um 4×0 no primeiro tempo) e 3×2 ,de virada em São Paulo.Por volta de 15:30 daquele domingo,os alto falantes do Mineirão ecoavam a escalação do Cruzeiro:Raul, Pedro Paulo,William ,Procópio e Neco;Piazza e Dirceu Lopes;Natal ,Tostão,Evaldo e Hilton Oliveira.Do outro lado me recordo apenas de alguns nomes:Helio,o goleiro,Grapete,Lacy e Ronaldo.Começa o jogo e aos oito minutos Tostão sofre uma entorse e sai carregado pelo  massagista KO nocaute Jack.E aí começa a historia do Zé Carlos.Quando  é anunciada a substituição   e o nome do Zé   é mencionado, todos os cruzeirenses,eu inclusive, e grande parte da crônica esportiva  é tomada de surpresa;quem é esse Zé Carlos,de onde veio ,como Felicio Brandi  e Cármine Furletti o descobriram?Tudo se esclareceria nos dias que se seguiriam.Mas o importante naquele momento,era aquela tarde .aquele jogo e o novo integrante da equipe celeste.Aos dezoito minutos do segundo tempo,o Atlético vencia por 3×0 e o Lacy desaba  no gramado e acusa o Procópio de tê-lo agredido.O zagueiro é expulso.E agora?pensava eu:sem Tostão,para mim um dos jogadores mais geniais que vi jogar,com menos um jogador e perdendo de 3, com um jogador que ninguém conhecia,com certeza a vaca vai pro brejo.Para tornar as coisas ainda mais dramáticas ,desabou um temporal  danado.Pronto,agora acabou!!Eu estava no setor de cadeiras bem próximo do gramado e ouvia  o chacoalhar  das chuteiras do Piazza ao correr naquela grama encharcada pela chuva.O esforço dos jogadores era enorme e heróico e a recompensa veio paulatinamente   surgindo ,no primeiro gol,depois no segundo e a galera explodiu quando o Cruzeiro empatou.Era bonito ver esse garoto,de passadas inconfundíveis e elegantes  substituir um mágico Tostão, com uma classe e segurança   fantasticas.E para premiar sua estréia estupenda,aos 44 do segundo tempo cobrou uma falta,jogando a bola na junção do travessão com a trave esquerda do Helio.Merecia ter entrado.O  impacto  do empate foi tão grande nas hostes atleticanas que o Helio caiu em desgraça.E ,ali ,naquele 30 de Setembro  de 1967 nascia mais um astro da constelação estrelada.Há alguns anos estive com o Zé Carlos e tiramos uma foto que guardo com muito carinho.Que o Zé descanse em paz!